17 de agosto de 2009

Caça aos grilos

Quem, na sua infância, não passou por uma vez que fosse, pela epopeica experiência de caçar grilos? Bom, pelo menos aqueles que tiveram o privilégio de viver ou brincar no campo ou ainda, em última análise, visitar familiares residentes em meio rural, puderam ter essa magnífica oportunidade.
Recordo que, normalmente, juntava a diversão com a concentração colocada na arte de enganar o bicho. Primeiro, com uma palhinha. Se não resultasse essa técnica da comichão, uma boa descarga de urina haveria de expulsar o artista do seu reduto. Aí, raramente me escapava. O destino dos grilos era invariavelmente o mesmo porque naquele tempo dava-se valor à cantoria, mesmo que fosse ininteligível.
Hoje, sem grilos na gaiola, continuo a dar valor à cantoria.

3 comentários:

Anónimo disse...

Ainda bem que não há grilos na gaiola.

NV disse...

O último que tive roeu a dita gaiola e aventurou-se na grande cidade.Não sei se sobreviveu?
Só sei que ele preferiu a sua liberdade, o que talvez lhe tenha custado a vida, a uma folha de alface.
Devia existir a expressão "Cantar de grilo" em oposição ao "Cantar de Galo"

Alexandre disse...

«Fiel Escudeiro», essa expressão ganhou um adepto!