7 de março de 2007

à tout propos (263)

Vale a pena espreitar a comemoração dos 50 anos da RTP. É comovente, a felicidade incontida estampada naqueles rostos. É comovente também olhar para o país real, embora não tanto espectacular.

3 comentários:

Pedro Bicudo disse...

... tanta coisa, tanta vaidade... para depois apresentarem um tipo que diz «pêra» em vez de «para». é deprimente.

N.V. disse...

O que mais me chateia é saber que a memória é curta, e todos aqueles que contribuiram de forma dignificadora e significativa para o desenvolvimento do país, poderão ficar esquecidos.
Hoje a manipulação sobre a memória e o passado é alarmante.
Que história dos dias de hoje será transmitidas às gerações futuras, a das futilidades?

Dugp disse...

Nada disso N.V.

Onde te enquadras tu e aqueles por quem desejas ser rodeado? Nas futilidades?

Sente-se uma suave brisa de mudança no ar.
Agarrá-la e trabalhar por ela parece ser uma solução.
Há uma discreta resistência à aceitação da futilidade por parte de uma "minoria cada vez maior".
Somos soldados disso e de outras coisas mais. Assim sofremos e suamos.
Os vindouros terão outras "lutas" para travar.
Nessa altura, veremos com um sorriso no canto do olho, o resultado destes pequenos "nadas" do nosso esforço.

Cumprimentos