14 de janeiro de 2009

A diferença, está no chocalho...

D. José Policarpo foi certamente mal interpretado numa questão em que, claramente, ressalta o sábio conselho de um homem vivido e experimentado, às castas ovelhinhas do rebanho, ainda sem chocalho. O problema central reside, efectivamente, na natureza da explicação metafísica professada pelo sujeito proprietário do chocalho e, por sua vez, dono da ovelha. Além disso, claro - e este é um fortíssimo argumento que não deixaria nenhum pai descansado - que poderão elas esperar de pastores que, em vez de «trabalhar», se põem de cu para o ar à espera de sei lá o quê? E rezam com os pés, caso contrário, não os lavariam antes de ir lá para as missas deles.

3 comentários:

Transeunte disse...

Já dizia Victor Hugo "A tolerância é a melhor das religiões" por isso considero que quezílias que têm como tema de fundo "O meu deus é melhor que o teu" são pura perda de tempo. De facto, a cultura muçulmana exerce práticas que não se adequam ao mundo ocidental, no entanto não cabe a uma igreja católica obsoleta, hipócrita e manchada de sangue julgar quem quer que seja. Muito menos personificada por um extremista de direita, machista, frustrado de batina. Além disso, quem casa sabe ao que vai ou não?Mais infelizes ainda foram as declarações feitas pela mesma figura em relação ao casamento homossexual...

JMSS disse...

Isto não é mais do que a velha "A minha pila é maior que a tua".

Além de mais, o que é que vai na cabeça destes velhos com tiques de poder (2009 anos de escola), para se meterem na vida privada das pessoas...`

E o que sabe o senhor sobre as pilas muçulmanas? Interrogo-me se na sua intimidade não terá um líbio a fazer-lhe a caminha...

NV disse...

Descriminação sexual, descriminação religiosa...a tolerãncia parece que está sempre do lado do Povo. O Estado e a Igreja vão dizendo e fazendo baboseiras. E nós temos que ser tolerantes. Tolera, meu filho, aguenta!...