19 de maio de 2009

Senhoura doutoura!

O moralismo defeituoso e a ruindade expressas nas acusações e ameaças desta professora são de tal ordem escabrosas que nem alguns padres poderão continuar a viver debaixo do mesmo tecto que sobrinhas e afilhadas, sob pena de se precipitarem em queda livre para os braços abertos do demónio.
Ao que parece, só no 12º ano é que a senhora professora deu beijos «assim», presume-se que, naquele combate de duas línguas que interpretam o jogo de gato e de rato e a que dão, pasme-se, a mesma designação de um peixe [talvez seja linguado porque o ambiente é aquático e há paredes contra as quais é atirado mas, na minha opinião, deveria ser moreia, pelo ambiente aquático, cavernoso e pela própria morfologia dos intervenientes]. E o linguado da professora só terá acontecido, naturalmente, por violação de um sexagenário embriagado, porque o empregado do restaurante se enganou e confundiu a amêijoa com o linguado ou por insistência do pastor alemão da vizinha já que nem os prostitutos teriam apetite para tanto.


As poucas conclusões a que podemos chegar no imediato é que os anos que passou a estudar não foram suficientes para falar correctamente português, tem a sensibilidade de um cão e sofre de distúrbios compulsivos de autoritarismo.
Fora isso… a esta hora estão os alunos todos a fornicar indecentemente e ela com uma depressão em casa, lubrificando um vibrador com lágrimas. Cada um é para o que nasce e ela não nasceu para ser pedagoga, educadora ou o caralhoqueafoda.

3 comentários:

gasosa disse...

amén!

Orelhadas disse...

Coitadinhos dos cães...

Anónimo disse...

É aconselhável não caírmos na tentação da generalização: a «senhoura doutoura» não representa certamente a classe dos docentes. Mas o «professor ideal» também não. Ambos são tipos-ideais que, neste caso, estão nos antípodas um do outro. Felizmente, nunca tive representantes de um ou do outro tipo-ideal. Mas lembro-me de professores que eram dedicados ou esforçados ou incompetentes ou inteligentes ou néscios ou desmotivados ou arrogantes, etc.