14 de outubro de 2009

A emenda pós-autárquicas

Depois de reunido o Comité Central do PCP, Jerónimo de Sousa veio a público emendar as primeiras declarações e refrear a análise a quente às autárquicas com uma aconselhável dose de sobriedade. De facto, com saldo negativo de quatro municípios, só fica bem ao secretário-geral do PCP admitir que os resultados foram insatisfatórios e demonstrar que o relativismo tem um termo.  Esse é o primeiro passo para que, com Bernardo Soares, a consciência se torne consciente. E Jerónimo de Sousa não é, em absoluto, uma pessoa para quem a clarividência seja uma entidade alienígena, mesmo em tempos de mobilização interna. Admitir uma derrota eleitoral não significa baixar os braços (não é previsível que isso venha a acontecer com Louçã) mas tem a enorme vantagem de permitir retirar ilações e melhorar. Porque, com Friedrich Nietzsche, as convicções [inquestionáveis] podem resultar em autênticos cárceres. Ou, por outras palavras, na detestável cegueira sobre a qual Saramago ensaiou.

De resto, uma emenda convergente com a coragem e determinação com que o desconhecido Eduardo Luciano se bateu pela reconquista de Évora (aos mouros? aos visigodos? aos cristãos?). Convergente também com a humildade com que o candidato comunista reconheceu a derrota eleitoral e, aqui sim, justificou com propriedade as restantes conquistas.

13 comentários:

EM ROID HALL disse...

se fosse a ti não festejava. isto é meio caminho para que o cc o considere um dissidente...e aí arrisca-te a levar com o secretário geral bernardino...

Anónimo disse...

o PCP é um colectivo. O Jerónimo de Sousa faz parte desse colectivo, assim como o Bernardino Soares. Ali não há disputas de faca e alguidar como em outros partidos. Mas sim, o reconhecimento dos erros é essencial para o fortalecimento do PC.

Anónimo disse...

O que o BE fez a Joana Amaral Dias foi o quê?

O que Ferreira Leite fez a Passos Coelho foi o quê?

O que o Ps fez a Ferro Rodrigues foi o quê?


Mas malham sempre no PCP

Anónimo disse...

A Joana Fofinha continua no BE e apoia o Louçã. Os outros estão nos seus partidos e um vai-se candidatar à liderança. A Fátima Felgueiras, o Isaltino, o major valentim, o Avelino Ferreira TOrres, o Narciso Miranda foram todos postos a andar do PS e do PSD. não se fala de outra coisa na comunicação social. O PCP não vende jornais como o PS e o PSD.

EM ROID HALL disse...

talvez por isso o pc esteja cada vez mais forte...

Anónimo disse...

9:34

O que é que não percebeste?

Anónimo disse...

O anti comunismo grassa por aqui

Anónimo disse...

CDU subiu em Évora, Beja, Setúbal,..

CDU perdeu a câmara de Beja como? Os votos do psd transferiram-se directamente para ps; cdu aumentou o número de votantes.

Há que saber ler os números, não ficar meramente pelo superficial.

Anónimo disse...

«o anti comunismo grassa por aqui»... com excertos do andré malraux na página inicial?!

Alexandre disse...

Os números merecem realmente uma leitura que não fique pela «superificial» como bem adverte o comentador das 21:14.

Por isso mesmo devemos recordar que em Beja, a CDU aumentou o número de votos (7402 para 7815) mas diminuiu a percentagem de votantes (de 41,79% para 41,66%). A explicação reside num aumento substacial dos votos no PS (passou de 5971 para 8577) e na diminuição da abstenção (em 2005 votaram 17087 eleitores e em 2009 votaram 18377).

Como o comentador das 21:14 sustenta, terá havido uma transferência de votos do PSD para o PS. É uma especulação aceitável tendo em conta a diminuição abrupta de votos contabilizados no PSD (de 3056 passou para 935). Mas se a direita em Beja deu o voto útil ao PS, já o mesmo não se passou à esquerda desta força partidária porque o BE subiu em percentagem e em votos (de 2,69% e 476 votos em 2005 para 2,93% e 549 votos em 2009).

Em Évora, a CDU subiu mas não foi possível conquistar a câmara municipal. Mas, ao contrário do que sustenta o comentador, em Setúbal, a CDU conservou a câmara mas não subiu a quantidade de votos (de 18655 em 2005 passou para 18558).

Anónimo disse...

O anti comunismo não grassa aqui. o anticomunismo grassa, isso sim, no prórpio PCP...a implosão do modelo capitalista que o marx defendia, vai-se verificar, antes de mais, no próprio movimento comunista...a malta não quer dogmas e certezas absolutas definidas por entidades bacocas e bafientas...para isso já cá temos o vaticano...

tentem perceber as evoluções demográficas e percebem a evolução do eleitorado do PCP...


abram a pestana...

Anónimo disse...

17.19

PCP tem cada vez mais militantes nas camadas jovens, se não queres ver issso, tu é que precisas de abrir a pestana

Anónimo disse...

@ 10:49: e perde-os em seguida para o BE. de qualquer modo, quantidade não é qualidade não é?