24 de novembro de 2007

Princípio da Inexplicabilidade

...E depois, há coisas inexplicáveis. Seja ou não observado o princípio da sobriedade. A dimensão do absurdo que as comporta é de tal forma imensurável que a sua explicação é, por assim dizer, inexplicável. O choque traumático provocado pela inesperada descarga de água gelada sobre alguém, causa na vítima uma sensação de perplexidade, a qual, só ao cabo de algumas fracções de segundo se desvanece.
Excluindo a loucura, o dia das mentiras ou a pura troça, não sei se alguma vez conseguirá alguém explicar a nomeação de Durão Barroso para Nobel da Paz, proposta por Ramos Horta.

2 comentários:

malmequers disse...

A nomeação da CE, merece a minha concordância e penso que até poderá ser pacífica. Todos temos a percepção que ela foi responsável pela construção de alguns equílibrios (embora que por vezes presos por arames); menos mal que uma pura estratégia económica tenha contribuído para a consolidação progressiva de relações entre Estados inimigos.
Mas o Zé Manel, ..., não o consigo dissociar de uma certa fotografia na Base das Lages. É o problema da memória visual...

ARV disse...

ahahahah